Written by 17:58 Agronegócio, Operações

Cadeia produtiva de grãos em 2022: veja os desafios

A previsão para 2022 é uma safra de grãos recorde com 289 milhões de toneladas, 14% a mais que a safra de 2021. Contudo, há entraves que precisam ser superados para que o setor atinja todas as metas previstas. Confira os desafios da cadeia produtiva de grãos em 2022.

Cadeia produtiva de grãos em 2022: veja os desafios!
Cadeia produtiva de grãos em 2022: veja os desafios!

A previsão para 2022 é uma safra de grãos recorde com 289 milhões de toneladas, 14% a mais que a safra de 2021. Contudo, há entraves que precisam ser superados para que o setor atinja todas as metas previstas. Confira os desafios da cadeia produtiva de grãos em 2022. 

Segundo a  Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra brasileira de soja deve crescer 3,9%, para 141,3 milhões de toneladas, e a produção de milho, 33,8%, para 116 milhões de toneladas. Ou seja, o Brasil pode bater novo recorde de grãos na safra 2021/2022. Porém, todo crescimento gera desafios. 

Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) aponta que os desafios e perspectivas no agronegócio estão relacionados às barreiras de entrada, conformidade com padrões internacionais, falta de competência tecnológica e complementação de recursos.

Assim, os recordes previstos para a safra de soja e recuperação na produtividade do milho também trazem o alerta para os custos de produção, como fertilizantes e alguns defensivos, que mais altos trazem dificuldades para um estabelecimento de preços que mantenha a produtividade e proporcione ganho financeiro ao produtor.

Além disso, com essa margem menor, não há espaços para erros, que podem ocasionar prejuízos financeiros, caso a produtividade prevista não seja alcançada.  

Ebook

A soja brasileira na Alemanha 

Em 2020, a Alemanha importou 1145 mil toneladas de soja do Brasil. Mas as recentes mudanças visando à sustentabilidade indicam que o cenário não será sempre assim. Tradicionalmente, os agricultores alemães alimentam seus animais com soja brasileira, barata e boa, mas, em alguns casos, cultivadas em áreas de desmatamento. 

De fato, boa parte da agricultura convencional ainda utiliza a soja brasileira. Em comparação, as toneladas de soja previstas pela Conab a serem produzidas no Brasil em 2022, representam três vezes mais do que a safra de grãos em toda a Alemanha.

A urgência de criação de metas globais fez com que muitas nações e organizações repensassem suas parcerias comerciais, começando com boicotes às empresas que não possuem boas práticas ambientais. Na Alemanha, especificamente, já há uma onda de mudança com produtores locais produzindo ração animal. A mistura de proteínas leva fava, ervilha, grãos, batatas e farelo de colza. 

Contudo, apenas 5% dos agricultores europeus obtêm soja de fontes locais, enquanto as importações de soja do Brasil seguem batendo recordes anualmente. Nesse sentido, para o futuro, a produção de soja do Brasil pode estar ameaçada.

Portanto, a solução desse desafio começa com a mudança na produção brasileira que precisa se readequar para alinhar o processo às novas expectativas do mercado e a conformidade com os padrões internacionais. 

Os desafios da cadeia produtiva de grãos em 2022 

O Brasil é um dos países mais burocráticos do mundo e não possui padronização nos formatos de solicitações e valores de documentos e certidões, impactando diretamente no fluxo operacional das empresas. 

Além desse fato e das mudanças ambientais, que vêm modificando as prioridades de várias nações, também há outros desafios no Brasil que vão impactar a cadeia produtiva de grãos em 2022. Confira. 

Preço dos insumos 

Com as altas recentes do dólar e a diminuição de disponibilidade de crédito, quem deixou para comprar insumos no segundo semestre de 2021 teve dificuldades. A safra passada teve custos baixos e preços bons, mas nesse novo ciclo, os custos aumentaram, pelo menos, 50% em relação à safra anterior. 

Para quem deixou para comprar no segundo semestre, houve o aumento acumulado dos fertilizantes, alta no diesel, energia elétrica e tudo isso impacta no custo final. Ou seja, a próxima safra possui maiores riscos, pois se o produtor tiver perdas ou o preço da soja diminuir até o final da safra, o produtor ficará com a margem de lucro apertada. 

Assim, a alta do dólar, ao mesmo tempo, torna-se um herói e vilão, pois melhora o valor das commodities, aumentando os valores de negociação, mas, por outro lado, os insumos também dispararam. 

Instabilidade do clima 

O clima é uma das poucas variáveis que os produtores não podem controlar, mas podem se preparar. O fenômeno La Niña, que provoca o resfriamento do Oceano Pacífico, vai trazer impactos, pelo menos, até o verão de 2022. No Brasil, esse evento deve provocar chuva acima da média no centro-norte e abaixo na região sul. Já no sudeste, os períodos de veranicos, que é quando ocorre a estiagem acompanhada de muito calor e baixa umidade relativa do ar, serão intensificadas.

Assim, a primeira safra da soja e milho já tem sido impactada pela falta de água na região sul e os produtores estão em alerta pela indicação de manutenção do tempo seco. No caso da cana-de-açúcar, há a probabilidade da estiagem atingir parte do centro-sul, maior região produtora, preocupando todo o setor. No caso do arroz e trigo, o La Ninã não deve interferir na produção.

Burocracia da cadeia produtiva 

Além dos desafios no campo, há desafios na cadeia produtiva aliado à parte operacional. Desde a originação dos grãos, passando pelo plantio, colheita, armazenagem, escoamento e exportação, há processos burocráticos que envolvem documentos, certidões, contratos e um grande fluxo informacional, que deve ser obtido e gerenciado da melhor maneira.
Seja para o pedido de um crédito ou para a etapa de exportação, é comum no agronegócio as empresas passarem por esses desafios:

  • Falta de infraestrutura para operações que dependem de documentos;
  • Dificuldades para a obtenção de documentação em diferentes órgãos;
  • Gestão manual ou por planilhas dificultando a visibilidade dos dados,
    gerando riscos de documentos vencidos e multas;
  • Duplicidade de custos por falhas de comunicação entre os departamentos;
  • Distanciamento do core business da empresa para a gestão dos documentos.

Conheça a legaltech que está desburocratizando o agronegócio

Para facilitar essas ações, a Docket desenvolveu soluções que dinamizam todo o processo. O software Shopping de Documentos possibilita a realização das solicitações das certidões junto aos órgãos responsáveis.

Após realizar o pedido, é possível acompanhar os trâmites da emissão com o tracking de documentos e visualizar a data estipulada para entrega. Ou seja, isso aumenta a previsibilidade nas ações. 

Com a plataforma de Alvarás e Licenças, é possível gerenciar todos os documentos regulatórios, viabilizando desde o armazenamento da produção em silos, passando pela fase de transporte até a exportação, em um só lugar. O gerenciamento pode ocorrer por unidades, mostrando quais operações estão quites com os alvarás e licenças e quais estão com documentos pendentes ou prestes a vencer. 

Assim, é possível concluir que a Docket oferece soluções que atende toda a cadeia produtiva de grãos, otimizando a  jornada operacional, que depende de documento, aumentando a autonomia das equipes e diminuindo tempo e custos com as ações. 

Se você se interessou pelo assunto, acesse o nosso site e entenda melhor como as nossas soluções podem otimizar a sua gestão documental. 

Visited 3 times, 1 visit(s) today