Written by 15:26 Agronegócio

O Guia Definitivo do Fiagro: como funciona e suas implicações no mercado brasileiro

O Guia Definitivo do Fiagro: como funciona e suas implicações no mercado brasileiro
O Guia Definitivo do Fiagro: como funciona e suas implicações no mercado brasileiro

Novo fundo buscado pelos investidores, o Fiagro possibilita diversificação de carteira e dá suporte ao agronegócio. Saiba tudo neste artigo!

O mercado financeiro brasileiro tem recebido constantes inovações para atender às demandas de dois grupos: investidores e setor agrícola. Uma das mais recentes é o Fundo de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagro).

Criado em 2021, ele compete com títulos de renda fixa, como LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio) e CRAs (Certificados de Recebíveis do Agronegócio). 

Com quase 15 mil novos investidores mensalmente, os Fiagros permitem que pequenos investidores consigam acessar o agronegócio por meio de duas possibilidades:

  1. Atividades relacionadas ao setor;
  2. Propriedades de natureza rural. 

Mas o que exatamente é o Fiagro? Como ele funciona? Neste artigo, vamos explorar tudo o que você precisa saber sobre esse novo tipo de investimento.

O que é o Fiagro?

O Fiagro é um fundo de investimento criado para financiar atividades nas cadeias produtivas do agronegócio brasileiro.

Ele se destina a investidores interessados em aplicar recursos no setor. Dessa forma, viabiliza-se a captação de recursos para produtores rurais, arrendatários, cooperativas, entre outros agentes atuantes na área

Assim, o principal objetivo desse instrumento é impulsionar o desenvolvimento do agronegócio no país, oferecendo alternativas de investimento atraentes e acessíveis.

Como funciona o fundo?

Os Fiagros funcionam de forma semelhante a outros fundos de investimento, porém, com foco exclusivo no agronegócio.

Esses fundos são compostos por duas pessoas. Primeiro, temos um gestor responsável pela administração do fundo. Em seguida, entram os cotistas, que investem seu capital nele.

Os recursos captados pelos Fiagros são direcionados para atividades relacionadas ao agronegócio, como a aquisição de terras, maquinários, insumos, entre outros investimentos no setor.

Um aspecto interessante do Fiagro é a possibilidade de os investidores usufruírem de benefícios fiscais. Isso significa que os investidores serão isentos do imposto de renda sobre os rendimentos distribuídos pelos fundos. Isso só acontece desde que o fundo tenha, no mínimo, 50 cotistas, e cada uma participação máxima de 10%.

Essa vantagem tem atraído a atenção de diversos investidores que buscam diversificar suas carteiras com ativos ligados ao agronegócio. Como esse setor é extremamente importante e teve um grande destaque no PIB brasileiro de 2023, não é de se admirar que ele vem gerando um aumento no interesse dos investidores.

Quais são os tipos de fundos disponíveis para compra?

Por meio da resolução 39, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) estabeleceu a comercialização de três tipos de Fiagros. São eles:

Fiagro-FIDC

FIDC é a sigla para Fundo de Direitos Creditórios. Os Fiagro-FIDC indicam que os recebíveis que dão lastro ao fundo se referem a atividades agroindustriais

Esse tipo de fundo surgiu com um objetivo em mente: financiar a produção e manter a atividade operacional. Para isso acontecer, as empresas do agronegócio precisam, eventualmente, antecipar seus recebíveis. E isso ocorre porque, dentro desse segmento, é extremamente comum que os prazos de recebimento da safra e liquidação dos compromissos sejam diferentes. 

Fiagro-FII

Esse tipo de Fiagro tem como principal objetivo investir em propriedades imobiliárias do agronegócio. Na prática, esses investimentos podem acontecer de duas formas:

  1. Diretamente em terras e imóveis agrícolas, semelhante ao que acontece com os papéis de tijolo dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII);
  2. Títulos de renda fixa do setor imobiliário, como CRA (Certificados de Recebíveis Imobiliários) e LCA (Letras de Crédito Imobiliário).

Fiagro-FIP

Um Fundo de Investimento em Participações (FIP) busca reunir recursos para investir em empresas em fase de desenvolvimento. Dessa forma, ao escolher a modalidade Fiagro-FIP, o investidor estará apostando em um negócio que vai receber recursos do fundo. Consequentemente, ele também participa das decisões e dos resultados financeiros obtidos.

Como investir em Fiagro?

Para investir no Fiagro, é simples e fácil: o interessado precisa ter conta em uma corretora e acesso ao home broker da instituição. Não existe intermediação na compra, e é o próprio investidor que efetua as ordens para aquisição.

A lógica para investir nesse tipo de fundo é bem semelhante aos FIIs. Por isso, para decidir de forma mais assertiva sobre qual fundo investir, recomenda-se aprender um pouco sobre a dinâmica do setor.

Em entrevista à Infomoney, Gustavo Germano, sócio da área de agronegócio da Riza, aconselha que o investidor observe a localização dos devedores. Hoje, as áreas de destaque para o agronegócio são o estado do Mato Grosso, o oeste da Bahia, as cidades goianas de Jataí e Rio Verde, o sul do Maranhão e o oeste do Pará.  

Quais são as implicações e impacto do fundo no mercado?

A introdução do Fiagro no mercado financeiro brasileiro trouxe diversas implicações e impactos. Um dos principais é o aumento do acesso ao crédito para o setor agrícola. Dessa forma, os produtores podem utilizar os recursos captados pelos fundos para investir em suas atividades.

Além disso, a chegada desse novo instrumento financeiro também contribui para a atração de investimentos para o agronegócio. impulsionando o desenvolvimento tecnológico, a modernização das práticas agrícolas e a geração de empregos no campo.

Qual é a quantidade de pessoas que investe em Fiagro hoje em dia?

Em matéria publicada no The AgriBiz, alguns dados sobre o investimento em Fiagro chamam a atenção: 

  • Segundo a Anbima, o patrimônio líquido desses fundos bateu R$ 15,8 bilhões em agosto de 2023;
  • De acordo com a B3, estão registrados 380 mil investidores nos fundos, sendo 94,3% como pessoas físicas;
  • e do total de quase R$ 16 bilhões de patrimônio líquido, R$ 9,8 bilhões são de Fiagros listados na bolsa.

João Arthur Almeida, CIO da Suno Wealth, comentou ao The AgriBiz que, em um cenário otimista, o Fiagro terá uma taxa de crescimento anual de 5%. Isso deverá acontecer se tivermos um patamar de juros mais baixos e um cenário macroeconômico estável e que facilite novas emissões. Dessa forma, em 2030, os fundos terão conquistado R$ 165,3 bilhões de patrimônio líquido.

Isso apresenta um cenário positivo para o crescimento do fundo, já que, em um tempo recorde, ele teve um posicionamento estável e relevante junto aos investidores. Para efeitos de comparação, os Fundos de Investimentos Imobiliários (FIIs) demoraram 10 anos para atingir R$ 15 bilhões de patrimônio líquido e 18 anos para superar os 380 mil investidores na B3.

Assim, fica claro que o Fiagro representa uma oportunidade promissora para investidores interessados no mercado agrícola brasileiro. Com a possibilidade de beneficiar tanto os investidores quanto os agentes atuantes no setor, esse novo instrumento financeiro tem potencial para impulsionar ainda mais o crescimento do agronegócio no país.

Visited 12 times, 1 visit(s) today